Rafaela Silva é campeã olímpica. E já era campeã mundial. Rafaela Silva terminou de escrever sua história de redenção, e eu queria escrever algo a respeito desde que a vi no pódio. Mas o que é que ainda não foi escrito sobre você, Rafaela?

Rafaela Silva, a nova brasileira campeã olímpica

A gigante Rafaela Silva, a nova brasileira campeã olímpica (Foto: Jonne Roriz/Exemplus/COB)

Você é a garota que contrariou as estatísticas. Mulher, negra e pobre num país que às vezes de forma velada e muitas vezes escancarada é sexista, racista, homofóbico e tem preconceito de classe. Você nasceu na Cidade de Deus e não aceitou ser apenas uma a engrossar os números mais tristes deste país. Lutou, metafórica e literalmente, para vencer. E na segunda-feira, dia 8 de agosto de 2016, venceu.

Não foi a primeira vitória, mas foi a vitória que estava presa na sua garganta desde 2012, quando gente que nem sabia quem você é resolveu te ofender porque, veja só, você não deu a elas (?) uma medalha olímpica. Você não deve nada àquelas pessoas, não deve nada à imprensa. Você deve prestar contas apenas a você mesma. Nenhum daqueles que te ofenderam fizeram qualquer esforço pra que você se tornasse uma atleta olímpica. E quem ajudou pra que você chegasse lá, jamais te cobraria ou te ofenderia.

E você não venceu apenas no dia 8 de agosto. Você já era campeã mundial. E você já tinha vencido a guerra contra aqueles que tentaram te jogar pra baixo. Que tentaram diminuir você. Rafaela, você venceu e esta medalha no peito é muito mais que o ouro entregue aos campeões olímpicos. Você derrotou racistas, machistas, homofóbicos e preconceituosos em geral. Você derrotou pessoas que não querem ver a vitória de pessoas como você.

Mas Rafaela, você precisa saber que muita gente esperou por este seu momento também. Muita gente roeu unhas, xingou o juiz que voltou atrás e retirou o golpe que te daria a vitória. Muita gente se emocionou ao te ver no pódio na sua cidade. Neste 8 de agosto você foi a carioca mais importante do mundo. A brasileira mais importante do mundo. São estas as pessoas que importam. As que veem na sua vitória um pedacinho do país que dá certo. Pessoas que não querem se apropriar das suas conquistas, mas querem ver muitas outras como você vencendo, no esporte ou não.

Rafaela, eu queria escrever sobre a sua vitória. E só existe uma coisa a dizer. Você venceu.